Contos de Viagem

Como quase caímos na esparrela do condutor de táxi em Maputo

Chegámos a Moçambique, depois de 24 horas de termos saído de nossa casa.

O voo mais longo foi de Lisboa para Maputo directo, são 11 horas. São 07 da manhã e a única pessoa que dormiu durante a noite no voo, foi o pequeno viajante.

Estamos muito cansados.

O avião aterra. Mal abre as portas e encostam as escadas, entra uma onda de calor e humidade que nos envolve como uma manta polar. Mas não são horas de dormir… despimos as roupas de inverno e nesse momento (ainda dentro do avião) começa o cansaço a ceder: uma monumental birra, com um argumento super válido, ao estilo dos 2 anos e meio que tem o pequeno A: “Não quero vestir a T-shirt! Quero o casaco!”

Depois de muita negociação (em vão), e sendo os últimos a sair do avião. De casaco de inverno vestido, chegamos á imigração. Estão 35 graus.

Na imigração é necessário preencher um formulário. Quem tem caneta, safa-se. Quem não tem, implora aos outros passageiros que lhe emprestem uma. Os serviços não têm canetas.

A birra continua. Agora, porque está encharcado em suor, porque não quer estar de pé e porque tem xixi, mas não quer fazer no wc.

O choro serviu para nos deixarem passar na fila. Menos mal.

Recolhemos as malas e aparece um Sr. a pedir 30€ para passar-mos a frente no Raio-X da chegada. Não aceitamos. Vamos para uma fila super lenta. O André continua aborrecido, a chorar On-Off, agora quer uma bolacha.

Estamos muito cansados, há que dar um desconto ao miúdo. Vem ao colo.

01h30 depois estamos nas Chegadas. Um taxista de nome Sayd vem buscar-nos, mas nem sinal dele.

Aproxima-se um magote de homens a querer ajudar com as malas a troco de uma gorjeta. Aceitamos.

Este rapazito (não tinha mais de 15 anos), pergunta o nome do taxista e abala á procura do Sr..

Volta todo contente e diz que ele já está a porta do aeroporto!

Óptimo. Calma André estamos quase no táxi. Bebe água.

Quando chegamos junto ao táxi perguntamos ao taxista como se chamava. Não andamos nisto há 2 dias. Murmurou qualquer coisa. Essa qualquer coisa, soou a alerta. O tal rapazito de 15 anos, disse: “Então não és o Sayd?”

O taxista disse que sim, que se chamava Sayd. As malas começam a entrar na bagageira.

Nós: “Quem lhe pediu que nos viesse buscar?”. Silêncio.

A certeza: não é o Sayd.

Este Sr., é um homem qualquer, desesperado por clientes que está a dividir a gorjeta com o rapazito das malas.

Este homem não é sério e, sabe-se lá, que voltas ia dar, até nos levar ao ferry.

As malas saem da bagageira e os homens desaparecem envergonhados.

Mais 6 ou 7 homens tentam a sua sorte para levar as malas e decidimos esperar no lado de dentro do aeroporto, que está mais fresco. Agora, o André grita porque queria ter entrado no táxi.

Finalmente aparece o nosso homem! Com um papel na mão a dizer Duarte e a pedir mil desculpas pelo tráfego de Maputo ás 08 horas da manhã.

Bons passeios!

Escrito por

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Gostou do blog? Partilhe :)