Gravidez & Bebés

Gravidez, viagens e preocupações!

viajar na gravidez

Para viajantes viciados, é impossível não fazer contas á vida quando se está a pensar aumentar a família. Será que é boa hora? Agora ia à India, será que é um bom sitío para bebés? Viajar na gravidez será seguro?

É comum ir adiando, ou planear encaixar a gravidez num calendário irrealista, como se isto tudo fosse matemática. Contas do género: ” Ora bem, vamos engravidar em Março para viajar, aqui perto até Junho, porque depois está muito calor, incha os pés e a barriga pesa muito para fazer caminhadas longas. Depois o bebé nasce em Dezembro e lá para a primavera já podemos voltar a fazer as malas”

O intuito é, evitar que uma criança chorona atrapalhe as viagens planeadas, para os próximos 12 anos.

Nós já passámos por isto. E tendo em conta o número de locais que o Andrezinho já visitou, podemos provar que um bebé não acaba com os projectos das viagens.

Contudo, os papás que começam com uma má experiência, dificilmente voltam a levar a criança, até ela se tornar adolescente.

Para começar com o pé direito, precisamos ouvir quem já o fez e pode ajudar. Ninguém nasce ensinado. Nós contactamos imensos bloggers que andam por todo lado com as crianças, perguntamos pela comida, infraestruras, experiências e dicas. “Quem tem boca, vai a Roma”, lá está.

Não há uma fórmula mágica, nem é instantâneo, são apenas dicas de pais amantes de viagens para futuros pais amantes de viagens:

Duas pessoas é mais fácil. É possível, claro viajar com um pai, e é igualmente bom, mas 4 braços fazem muito jeito, especialmente quando a criança é pequena

Não é necessário fazer viagens-padrão. Lá por terem um filho agora, só vão visitar a Eurodisney ou a Legoland?! Excluindo zonas de guerra, todo o Mundo pode ser visitado. Não fiquem cheios de medo porque começam a ouvir criticas, e “conselhos” especialistas de quem nunca tirou o rabo de casa. Oiçam um bom pediatra e pessoas que já tenham estado nos lugares que pretendem visitar.

Amamentar num banco de jardim ou trocar fraldas no banco de trás do carro, não vai traumatizar a criança. Relaxem.

A paternidade não muda o tipo de viagens que costumam realizar. Gostamos da Ásia, e para a Ásia continuamos a ir, porque é um lugar onde nos sentimos bem. Continuamos a gostar de alojamentos pequenos (não confundir simplicidade com sujidade), e continuamos a gostar de comer comida local.

As diferenças nas viagens depois do bebé nascer, é no número de atividades que fazíamos num só dia. Mas, com o pequeno viajante aprendemos o conceito de Slow Travel. Depois de nascer o bebé, descansar torna-se uma prioridade.

Comecem cedo. Os bebés são mais “portáteis” e menos esquisitos. Quando liamos artigos sobre isto, não acreditávamos, pois parecia que as famílias com os miúdos a andar pela mão, era mais fácil. Hoje em dia, a assistir a uma birra “NÃO QUERO SAIR DA PISCINA!!!”, entendemos perfeitamente.

Viajem para onde desejam. Eles são tão felizes a dar bananas a macacos num templo na Malásia, como a visitar o jardim zoológico.

Ir mesmo com medo. Nunca vamos descobrir como eles reagem em viagem, se nunca experimentarmos. Não deixar o medo paralisar os sonhos, é muito importante.

Nem a culpa, deve nos paralisar. A paternidade acarreta culpa e em viagem, não ficamos livres dela.

O clima não é importante. Se só podem ir de férias no Inverno, vão! Existe um ditado nos países nórdicos que diz mais ou menos isto: “Não existe mau tempo, existe mau agasalho”.

Em todo lado há pais preocupados e bebés com necessidades para serem atendidas. Logo, há sempre solução para qualquer problema nosso: fraldas, leite, papa, febre, etc.

Vai haver muito cansaço. Os dias não vão acabar com um salto despreocupado para a cama, sem pensar em mais nada. Quando o dia chega ao fim, é preciso dar uma refeição equilibrada ao nosso turista miniatura, porque provavelmente todo dia comeu frutas e snacks.

Depois é hora de lhe dar um banho relaxante e rezar ao Universo para que durma 11 horas, e no berço dele.

Nunca mencionámos que seria fácil.

Mas é muito bom, isso podemos garantir. Eles crescem imenso, e é muito giro vê-los interagir com toda a gente com uma naturalidade, que poucos adultos têm.

Para quem não leva uma ama (AHAHAHAH era bom era!), avós, ou paga Kids Club uma semana, é cansativo.

Mas cansativo é também a rotina do dia-a-dia,mas nós preferimos estar cansados numa praia de água quentinha longe de casa.

Bons Passeios!

Vai gostar de ler:

O bicho de 7 cabeças da alimentação nas férias

10 passos para criar um bom viajante

 

Escrito por

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Gostou do blog? Partilhe :)