Posts sobre viajar

Pais estão a criar “bebés de estufa”

bebés

São cada vez mais comuns as consultas em que o pediatra, além de cuidar das criança, tem de “tratar” dos pais. A “doença da limpeza” está a aumentar e modificar a capacidade de defesa das novas gerações. Esterilizar tetinas e biberões, ferver a água, lavar a roupa a temperaturas máximas ou usar sabonetes e detergentes antibacterianos, agora espalhados pelos supermercados, quando não faltam saneamento nem água potável, está a elevar a assepsia para níveis perigosos.

Gasta-se na higiene com a convicção de que se poupa na saúde, mas os especialistas garantem que esta gestão é errada e que o custo final é caro.

“O sistema imunitário é essencialmente de reconhecimento e garante um papel fundamental: tolerar os agentes do meio ambiente e as substâncias do próprio organismo e responder quando necessário sem exageros”, explica luís Taborda Barata, professor de imunoalergologia na Faculdade de Ciências da Saúde da Beira Interior. A aprendizagem imunitária faz-se por contacto e se o meio está muito higienizado, pouco ou nada há com que contactar, logo para aprender.

O conhecimento científico mostra que é preciso mudar comportamentos. “Estudei num tempo em o único micróbio bom era o micróbio morto”. Hoje, reconhecemos que temos 10% de células humanas e 90% de agentes microbianos, e estamos a aprender a viver com essa comunidade, reconhece o especialista Jorge Amil Dias. A solução está no equilíbrio. Como se faz a aprendizagem? Indo à escola.

“O infantário é excelente. A criança vai fazendo infeções benignas, o sistema imunológico amadurece e aos dois anos já é semelhante ao nosso”, afirma a responsável pela Unidade de Infecciologia da Estefânia, Maria João Brito. Até lá, sobretudo até aos 3 meses, bastam os cuidados básicos – lavar em vez de desinfectar ou esterilizar. O mais difícil, são os pais: “Tenho de mandar alguns porem os filhos na escola. Temos de insistir na desmistificação de que o contacto com micro-organismos é mau.”

Mas o receio é partilhado por alguns pediatras. “A esterilização já não é recomendada pela nova geração de médicos. É algo que está associado aos que conviveram com muitas infeções e que ainda não se desvincularam”, diz o imunologista João Neves.


Dieta com todos os alimentos

A mesma opinião é partilhado pelo pediatra Mário Cordeiro. “Não há necessidade de ferver água e esterilizar biberões e tetinas. Depois de uma época em que o combate às doenças infeciosas levou a medidas sanitaristas, e dados os excelentes resultados, caiu-se num exagero protecionista, em que

uma criança fica quase isolada do meio exterior, com uma autêntica neurose de se brincar com o mínimo de chuva, de frio, ao ar livre, correr, saltar, envolver-se com o meio ambiente”

As consequências não são boas: “Para lá da diminuição da qualidade de vida, está provado que o sistema imunitário precisa de brincar com sujidade, o que é diferente de poluição, tóxicos ou produtos biológicos”

E é preciso estar atento a mais aspectos. “Dietas carentes em alguns alimentos ou o uso de antibióticos perturbam o microbioma do intestino e consequentemente o sistema imunológico”, acrescenta Sónia Lemos. Doutorado em fisiopatologia, Pedro Martins explica que o “organismo é modificado pelo expossoma, o conjunto dos fatores ambientais a que estamos expostos”.

E o modelo de educação também conta. “Não culpem a vida assética, culpem a vida moderna, o stresse parental, o emprego como o centro da vida. As crianças não estão mais frágeis, os pais é que têm menos tempo e espaço para serem pais”, critica o Presidente da Comissão Nacional de saúde materna, da Criança e do adolescente, Gonçalo Cordeiro Ferreira. Além da mania da higiene nas consultas também se vê mais insegurança. “Existe mais informação, mas as pessoas estão menos seguras em relação à doença e isso vê-se na forma como inundam as Urgências”, garante Maria João Brito. “A febre é um bom exemplo. Os pais têm medo de um mecanismo natural do organismo contra as infeções, para as quais, virais e benignas, abaixo de 38,3 graus nunca se dá antipiréticos nem se alterna paracetamol com ibuprofeno porque é preciso perceber o padrão.”

O pediatra Mário Cordeiro é taxativo:

“Brincar na relva, na areia, correr à chuva (desde que depois se mude a roupa), viver no exterior é indispensável. Faz falta pela felicidade e qualidade de vida, pelo respeito pela Natureza, pelos aspetos lúdicos – para que as crianças usem os 5 sentidos e não apenas o indicador num qualquer tablet. Para desenvolver a imunidade e para ter mais saúde física, mental e social.”

E esta regra é válida até ao fim da vida. Os estímulos exteriores têm de ser mantidos para que o sistema imunitário não esqueça o que aprendeu.

“Há estudos que mostram que as doenças autoimunes (quando as doenças atacam o próprio organismo, como lúpus, artrite reumatoide ou outras) e as alergias estão relacionadas com a quantidade de cimento em redor. Ou seja, está demonstrado que nas cidades as pessoas têm níveis de proteína C reativa (grau de inflamação) mais elevados, e de forma constante, do que quem vive no campo”, afirma luís Taborda Barata.

“Somos interação e temos de a manter ao longo da vida, com o meio e com os outros”.

Bons Passeios!

Este texto é um excerto de um artigo do Jornal Expresso, da jornalista Vera Lúcia Arreigoso, de dia 11 de agosto de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *